terça-feira, 31 de março de 2009

Diário de guerra: Slever Kelever


Lockfall, 5º de Malleus, Ashtoven de 6o4 D.R

Há algum tempo atrás tinha ouvido falar de um bom policial de Corvis, a cidade cinzenta, que havia caído durante um confronto com os Grifos Negros. Disseram-me que daquele bom homem não havia restado mais nada, senão um ronin desgarrado, apenas a sombra de um homem que fora outrora. Que surpresa a minha quando o meu caminho cruzou com o deste homem, Slever Kelever.
Durante a confusão do roubo dos papéis do projeto GV-09, conheci este homem, ele salvou minha vida na ocasião (pelo menos assim me disseram, eu havia bebido muito naquele dia). Um bando de bandidos, liderados por um elfo, havia parado nossa caravana para roubar os papéis do projeto, Thomas, meu aprendiz deu cabo de boa parte deles, mas a outra parte foi derrotada por esse homem. Enfim...

Slever era um bom policial de Corvis, com uma ficha limpa e com boas referências, mas algo aconteceu a ele. Logo depois desse episódio misterioso Slever abandonou a guarda e virou um caça-recompensa, levando uma vida desregrada e errante.
Slever é um ótimo guerreiro, derrotou um dos Escudos Negros com as mãos nuas, mas se puserem uma pistola em sua mão ele vira o diabo em pessoa. Sua pontaria, velocidade de tiro e postura diante da betalha torna ele um aliado valoroso e um inimigo temível, mas ele tem uma fraqueza...

Slever ainda acha que pode jogar pelas regras, apesar de não usar distintivo se porta com um policial. Mais cedo ou mais tarde ele vai perceber que não estamos correndo atrás de bandidos, que os homens contra os quais lutamos não são, necessariamente, maus e que virão certos momentos em que teremos que atravessar a linha da moralidade para conseguirmos o que queremos.

Enquanto ele não entender que isso é uma guerra, enquanto ele não entender que agora ele é um soldado e que precisa se portar como um soldado, ele não estará completamente pronto para o que está por vir.

Capitão Vincent Naylor

Nenhum comentário:

Postar um comentário